Montanhas e Francisco

Estou no topo de uma Montana. Num restaurante aberto e vejo flores e montanhas e tomo chá. Faz neblina e eu as vezo , como as gotas, vejo com prazer. Não faz calor, não faz frio e às micro gotas mantém tudo isso tão verde.


Kimanhê tem 21 anos e faz 5 horas que estamos andando e conversando. Na verdade ele fala bem inglês. E a minha impressão de que tudo se transforma pelo respeito fica ainda mais forte hoje.


Foi agora buscar comida nesse restaurante, onde estamos que fica no topo da montanha e o restaurante ainda é Indiano. E eu já paro de escrever para conversar e comer com ele.  Escrevo o resto do hotel.

De fato parei sentei, falamos e comemos. Chapatis com sei lá oque. Estava muito bom. E mangas doces e banana e tomei mais chá.
Andamos por plantações de gengibre , laranja, arroz, e tantas outras coisas que estavam ali naquelas belas montanhas. E das quais ele foi me contando.


Passamos por dois vilarejos e ainda vi mais lugares budistas, pequenos aprendizes de budismo. A árvore que Kimanhê me explicou era a árvore Budista.


Kimanhê falava bem inglês e fico sabendo pelos 19 km de caminhada que ele é um estudante de direito. Está no quarto ano. Falta mais um. Sim ele sabe de tudo. E sua desconfiança do sistema parece mais fundamentada. 

Ele me explica que escolheu estudar a distância. Dois meses a cada ano vai à universidade e depois apenas tem que mandar cartas. Achei bem útil esse sistema.

Contou que muitas leis estão mudando e eu disse que isso devia anima-lo pois os advogados do passado vão estar ultra-atrapassadissimos. Ele se formava nos tempos novos. Ele ficou feliz.

Explicou da confusão que havia com uma província na fronteira com Bangladesh. Tem vontade de conhecer o Nepal.

Me ensinou mil coisas na língua de Burma. 

“Myanmar Lo Kiotéla. Nenê”

Mais ou menos não sei falar a língua de Myanmar, só um pouquinho 🙂

Ele me mostrou um lugar que tinha agrotóxicos e não eram vegetais orgânicos. Contou que não bebe, não fuma, não come tabaco porque tudo isso destrói a sua saúde.

Contou que no campo as casas colocam o banheiro para fora da casa. Ele prefere assim. Viver no campo. 

Eu fiquei maravilhada quando perguntei da Banana flambada que tinha comido. Ele me explicou.

“Queimada com álcool e mel. É um prato típico daqui.”


Adorei porque tinha adorado ontem e pensava que era só em lugar de turistas. Ele me explicou que sua mãe sempre faz.

Ele é sobrinho do dono da agência Green Discovery. E o tio é neto de um inglês que já faleceu e portanto o tio que conheci hoje fala inglês perfeito. 

A única coisa triste do dia foi ficar sabendo que que  Kimannhê ( que se escreve diferente , e eu coloco assim para lembrar como se pronuncia) parte hoje para uma outra cidade. Portanto resolvi amanhã ficar aqui e depois de amanhã ir ao lugar que ele me disse que era bonito e eu teria que ir com um outro guia. 

Por agora me sinto perfeita. Nem se quer fiquei ainda cansada. Amanhã já aprendi onde fica o lugar da massagem. Isso que eu farei! Já que meu hotel está pago até dia 14. Dia 13 outra caminhada e no 14 vou para Inle Lake.

Enquanto andava uma hora senti o exato lugar que entraram no meu corpo para fazer a angiograma. Na minha virilha direita. Senti e pensei no meu amigo Francisco da escalada.

Francisco me disse uma vez que ele tinha esclerose múltipla e que se eu tivesse não deveria ficar apavorada. Sei que uma parte minha ficou.

Depois um dia ele me contou que ter esclerose múltipla o fazia fazer escalada todos os dias. Ficar parado é privilégio para quem nao tem nada. Um dia parado e tudo se estagnava nele. De uma certa forma hoje quando senti a veia por onde entraram no meu corpo eu entendi acho que melhor o Francisco.

Quando não temos certeza do amanhã vivemos o dia de hoje plenamente. E na verdade ninguém devia não fazê-lo. E muitos se prendem pelo medo da coisa mais comum que há: a impermanência de tudo na nossa vida.

Então Francisco eu te agradeço hoje. No final a sua esclerose e a minha vasculite cerebral nos libertou. Desejo a todos que se libertem de medos e das inseguranças que são 90% do tempo desnecessárias. Eu agradeço a todos porque me sinto tão viva. Tão bem. Tão privilegiada. Que só posso agradecer.

Com amor, Ju

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s