Hans- parte III

Eis que um dia, muitos dias depois da nossa viagem ao Laos para trocar o visto do Hans, ele vem me confidenciar que nao iria mais pagar os 15 mil Bhat. Sua ex-mulher, estava cobrando 40mil Bhat para dar o divorcio e ele nao tinha dinheiro.

Horm ficou furiosa. Segundo ela, isso nao se faz, “ if you love someone, you must support her.” Tentei de varias formas perguntar a ela se isso nao era prostituicao, mas ela me explicou que nao que nao tinha nada a ver. “If you love someone you must support them.”

Para falar bem a verdade, enquanto o Hans estava pagando a Ooum, eu na minha praticidade entendia. Afinal, a vida é dura num vilarejo rural na Tailandia. Para minha, surpresa , no entanto, quando ele deixou de paga-la e explicou que eles precisavam terminar, Ooum disse que nao, que gostava dele, que queria continuar com ele mesmo sem o dinheiro.

Esse foi o primeiro encontro que eu tive com essas relacoes, dificeis para mim de categorizar. Na verdade, as coisas sao muito mais complexas. Eu no comeco ficava totalmente irritada com os homens europeus com meninas tailandesas. Penetrando aos poucos tanto o mundo dos homens ( um mundo muitas vezes de homens solitarios, as vezes crapulas as vezes vitimas, as vezes os dois, as vezes nenhum), como os das mulheres Tailandesas (que muitas vezes tem muitos “maridos ocidentais” e que falam disso numa boa..as vezes crapulas, as vezes vitimas as vezes os dois, ou nenhum…:) fiquei menos “judgamental”. Quem sou eu para saber quais sao as necessidades de uma pessoa? Não é nunca tão claro assim. A necessidade financeira as vezes se mistura com verdadeiro carinho, ou quem sabe com uma maneira menos judeo-crista de experienciar sexualdiade.

Eu não quero fingir aqui que o turismo sexual em Bangkok, Pattaya, Phuket etc..não seja depre, e que nao deva ter mil vertentes de abusos. Por esses lugares ve se de tudo. Alias foi a primeira vez que eu achei que era mais facil viajar sozinha como mulher do que como homem. Os homens sao literalmente agarrados pelas ruas. Ha tambem os famosos shows de ping pong e sexo, as massagens com “happy ending”, e sem duvida nenhuma um milhao de abusos.

Mas há tb um outro lado. Os das pessoas que estao buscando uma vida melhor. Que estao buscando amor. Ou como meu amigo, Richard, um senhor de 73 anos que eu conheci em NK, estao procurando se sentirem mais humanos. Mas essa é uma outra estória.

2 thoughts on “Hans- parte III

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s