Saudade Interna do Tibete

Hoje estava vendo as fotos do Tibete que a Denise postou, me deu uma saudade que não sei explicar.

Conheci a Denise em DharamSala na Índia. Mais incrível foi que eu a conheci quando fui ver aulas do Dalai Lama por sorte.

Quando eu conheci por um acaso, ou de maneira espiritual que me dizem. Se é tive a sorte enorme de ela me convidar para conhecer Karmapa.

Eu aceitei e nem sabia o que aquilo queria dizer. Marcamos nos ver no dia seguinte.

Isso foi em 2008. Estava eu com o Haiko, e nós agnósticos, não religiosos e não sabíamos nada do Tibet.

Quando eu fui ler na internet quem era Karmapa. Li que enquanto o Dalai Lama estava 14ª reencarnação, o Karmapa já estava na 17ª reencarnação. Por isso são conhecidos como HH (SS) Dalai Lama, e HH ( SS) Karmapa.

Eu que nunca acreditei no que era escrito das religiões, eu nunca parava de gostar mais de aprender sobre elas.

Fomos encontrar Denise, que estava com Rita e elas me contaram que iriamos a um lugar mais longe, para irmos no Templo onde ficava Karmapa.

Eu não sabia o que seria. Pegamos um transporte e eu fui pensando que era mais interessante. Quando chegamos havia muitas pessoas. Havia ocidentais e muitos tibetanos. Aquilo me impressionou. Fiquei feliz de estar naquela aula.

Na minha total surpresa Denise me contou que tinha um encontro privado. Eu fiquei surpresa. Expliquei a um Lama tibetano que estava lá que não tinha lenço do estilo que Denise e Rita estavam usando.

Quando perguntei onde comprar e como fazer quando iria ver Karmapa. Um Lama me deu seu lenço, e ensinou a quando entrar, baixar a cabeça e por no chão e abaixar 3 vezes. Que eu deveria sentar e fazer uma pergunta a Karmapa e ele responderia.

Entramos eu, Haiko, Denise e Rita. Lembro que na hora de pergunta uma coisa. Eu disse “Não sei o que é, o que tenho do meu problema.”

Karmapa levantou e foi tocar na minha cabeça. Nunca vou me esquecer

“ O seu problema é elétrico e eu sempre vou estar com vc”

Eu chorei, me tocou demais. Eu que não acredito em nada, e tenho epilepsia, fiquei tocada demais.

Hoje me faz lembrar que não era apenas epilepsia, é uma solidão interna.

Só sei que assim comecei a me aproximar dos Tibetanos. Eu nunca tive uma coisa que não fosse profunda dos Tibetanos.

Isso não quer dizer é uma palavra carinhosa. Era sempre uma palavra de ser mais consciente.

Quando conheci Rinpoche e lagrimas saíram sem eu vê-lo. E ele de longe disse

“Se saiu uma lagrima é porque nos conhecemos de outra vida”

E eu a mais ateia e descrente, não sabia explicar.

Como diria HH Dalai Lama respeite todas as religiões, mas aceite o que é o natural.

Meu amigo Sho nunca entende porque não acredito em reencarnação.

Tudo que eu sei é que vendo o Tibete me sinto em casa, mesmo nunca tendo ido.

Tudo que sei é da minha eterna dúvida de dizer “ Isso é assim. “

Eu sempre serei da duvida, e sempre com saudade dos Tibetanos. Quase tudo na nossa vida é um mistério.

E sempre com saudade do Tibete.

Com amor, Ju

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s